search
top

Conhecendo Paula Pimenta e seus livros – parte 1

Dia 06 de julho foi realizado o lançamento do mais novo livro de Paula Pimenta (conhecida como Meg Cabot brasileira) com a Meg Cabot (a original). Brincadeiras à parte, o livro chama-se O livro das princesas. Para comemorar, o Clube do Livro Potterish preparou uma semana especial, com textos e resenhas sobre as autoras. Para começar o especial, com vocês: Paula Pimenta.

Paula 1

Mineira de Belo Horizonte, Paula sempre gostou de brincar com as palavras e passou a adolescência escrevendo poemas para seus amores platônicos. Entrou na faculdade de jornalismo, mas logo viu que ali não era lugar pra ela, pois não tinha o objetivismo e a imparcialidade necessária, estava sempre floreando as notícias. Mudou então para Publicidade e concluiu o curso na PUC Minas. Estudou também Música na UEMG, deu aulas de violão e técnica vocal por vários anos, e é compositora.

Em 2001 lançou seu primeiro livro, “Confissão” uma coletânea de poemas e crônicas, com uma listagem pequena o livro esgotou pouco tempo depois. Mas foi com “Fazendo Meu Filme”, pela editora Gutenberg, que ela alcançou o sucesso.

Não foi nada fácil conseguir publicá-lo, as editoras alegavam que o livro era muito grande para o público adolescente, mas Paula insistiu, ela sabia que os adolescentes não tinham medo de livros grandes, afinal eles liam “Harry Potter” e tantos outros. E em 2008 ela conseguiu levar as aventuras da Fani para as prateleiras.

A Paula conta que já havia começado várias histórias, mas nunca terminava nada. Até uma madrugada, enquanto estudava Escrita Criativa em Londres, começou a imaginar a história de uma garota que sai para a balada com uma amiga e o pai diz que ela precisa estar em casa a 1 da manhã, só que com o horário de verão, de repente meia noite vira 1 hora e ela tem de voltar correndo pra casa. Soa familiar? Aqui nascia a história da Fani.

Ela escreveu baseada em sua própria adolescência e acreditava que as pessoas da sua idade iriam ler e gostar porque se identificariam, mas ela não podia imaginar que as atuais adolescentes também iriam se identificar e muito com o livro. A Paula descobriu que adolescência é igual para todo mundo, na importa a época.

Muito tímida, ela adora ir às livrarias e ver seus livros nas prateleiras, e fica sempre emocionada quando encontra alguém folheando um de seus livros, mas fica com vergonha de se apresentar como a autora. Ainda está se acostumando com a fama que nunca imaginou que um dia teria.

Texto de Mariana Arantes, fã de carteirinha de Paula Pimenta.

top