search
top

[Cobertura 31.08] 3º Dia de Bienal do Livro – Rio de Janeiro

Terceiro dia de Bienal Do Livro Rio e a nossa equipe não para! O sábado foi um dia atribulado na bienal. Muitos eventos importantes ocorrendo enquanto Pedro Bandeira era destratado por ter esquecido sua credencial.

Estava bem mais cheio a ponto da rede de telefones cair. Não era possível fazer ligações depois das 14h e por não haver wi-fi liberado, nem watsapp funcionava e o Facebook estava intermitente. Me surpreendo que o link dos cartões não tenha caído também como aconteceu na Bienal de 2011. Mas os caixas eletrônicos já estavam sem dinheiro por volta das 16h.

A entrevista com Carolina Munhóz no acampamento da Bienal foi muito bom. Mas a Leya não orientou seus funcionários adequadamente sobre a distribuição das senhas, por isso muitos fans postaram reclamações pelo Facebook (veja vídeo de uma fã). A assessoria dos autores (Carolina Munhóz e Raphael Dracon), e os próprios autores como sempre muito atenciosos, pediram desculpa aos fans que passaram por esse inconveniente (leia nota de esclarecimento dos autores), pois eles não tinham conhecimento dessa desorganização da editora, ou teriam feito algo a respeito.
Carol prometeu autografar qualquer um dos seus livros até as 22h e até o momento que eu deixei a feira ela ainda estava recebendo todos os fans com o carinho que lhe é tradicional e não parecia disposta a sair antes do ultimo fã (a fila não estava pequena, mas ela estava sorrindo e tirando fotos).

Carolina Munhoz

Carolina Munhóz no acampamento da Bienal

Por fim, entrevistei Leandro Reis que esta nesta Bienal a passeio, sem stand, mas que está prevendo o lançamento de seu quinto livro para a bienal de sampa ano que vem. Você pode conhecer os livros do Leandro através do seu site, que é incrível!

Nosso resenhista Marcus Siani também esteve na XVI Bienal do Livro Rio no dia 31 de agosto e conta pra gente suas impressões sobre.

“Bem, estive no primeiro dia de Bienal (29/08) e acho que esse dia não conta. Ainda tem estandes sendo montados, ou seja, é um dia morno. Mas no sábado do primeiro fim de semana começou a “ferveção”. Gritinhos histéricos, confusões e multidões enlouquecidas! Como gosto dessa bagunça! Vou dividir minhas impressões entre pontos negativos e positivos. Mas, para minha alegria os negativos foram poucos.
Pontos Positivos:
*Estandes arrojados e bem concebidos;
*Estandes com promoções consideráveis (livros novos e de qualidade por dois reais!);
* A grande presença de autores nacionais em diversos estandes, conversando com leitores, autografando, enfim mostrando a crescente força da literatura nacional e em especial a literatura fantástica;
* A intensa programação da Bienal, sem cair na mesmice e com temas interessantes;
* A vibe da feira que está muito boa!!!
Pontos Negativos:
• Inflação do Zimbábue no quesito alimentação!!!
• Poucos profissionais de apoio para dar informações;
• Talvez uma excessiva “espetacularização” dos autores em detrimento de suas obras, infelizmente acho que é um caminho sem volta.

E nossas aventuras na Bienal do Rio não acabam por aqui. Sabem quem também esteve por lá? A nossa resenhista Brunna Cassales! Confiram só como o seu dia de visita à Bienal.

Comecei meu primeiro dia de Bienal já com minha programação montadinha e, sabendo que conseguir um autógrafo do Nicholas Sparks seria impossível, visto a confusão que estava com a profusão de fãs ávidos por um momento com o autor e a desorganização instaurada no evento, meus livros do Sparks voltaram para casa como chegaram , intactos. Mas, sem problema, fui direto conseguir senha para o Café Literário com o Matthew Quick (pena que as senhas para autógrafo tinham acabado). Além do autor de “O lado bom da vida”, o bate papo no Café contou também com a presença de Flávio Carneiro e Socorro Acioli e abordou o tema: Novas definições de Leitor: o jovem, o jovem adulto e o adulto. Com um tom descontraído, os autores contaram suas inspirações para a escrita e o que os motivam a escrever sobre o ser humano, suas limitações e desejos, bem como a construção dos personagens com os quais os leitores se identifiquem.

Café Literário

Café Literário sobre as novas definições do leitor, com Matthew Quick, Flávio Carneiro e Socorro Acioli.

Após o Café, corri para a sessão de autógrafos da Paula Pimenta. Lá encontrei a querida Mariana Arantes, resenhista aqui do CdL, e juntas, aguardamos na fila para falar com a Paula. Nem precisa dizer como ela é simpática e atenciosa, né? Mas digo assim mesmo, tamanha minha felicidade ao vê-la autografar meu recém-adquirido livro “Fazendo meu filme 1”.

Mariana e Brunna

Meninas do CdL depois de tietar a Paula Pimenta

Brunna e Paula Pimenta

Brunna Cassales e Paula Pimenta

Percorri o pavilhão verde e fiquei impressionada com a fila para o stand da Comics que se estendia até o pavilhão azul praticamente e não esvaziava nunca. Muitas filas, muita espera, mas os devoradores de livros não reclamam, afinal amamos a Bienal!

Bem, para fechar o dia estive na Festa dos Blogueiros do stand mais receptivo e com a equipe mais carismática da Bienal, o da Novo Conceito. Fomos recepcionados com uma mesinha de comes (opa!) e bebes (eba!) e ganhamos diversos brindes da editora, além de agradecerem a parceria e de terem colocado um livrão com as Logos dos Blogs e Sites parceiros. Só no fim do dia consegui entrar no stand concorridíssimo da Intrínseca e terminei o dia com um saldo de 5 livrinhos comprados.

Livrão Novo Conceito

Logo do Clube do Livro junto aos blogs e sites parceiros da Novo Conceito

E você, o que esta achando sobre a Bienal? Conte pra gente nos comentários, queremos saber!

top