Nota do resenhista: Um hobbit avesso a aventuras e a tudo que o afaste por muito tempo de sua casa de repente se torna integrante da companhia de Thorin Escudo-de-Carvalho, um príncipe anão que resolve partir em busca de seu reino perdido. Mas, para isso, a companhia precisa derrotar Smaug, o dragão que habita a montanha dos anões. Muitos perigos e novos conhecimentos marcam essa viagem do jovem Bilbo Bolseiro que, sem saber, transforma os acontecimentos da Terra-média para sempre.



   Tempo: para ler de um tiro só no fim de semana.

   Finalidade: para ficar na ponta da cadeira.

   Restrição: não gosta de perder tempo com longas descrições.

   Princípios ativos: Fantasia, Terra-média, dragão, anões, Um Anel.


 

O Hobbit (HQ), de J.R.R. Tolkien, Charles Dixon e David Wenzel.

“O grupo seguiu avançando alegremente, contando histórias ou cantando canções enquanto cavalgava.
Bilbo começou a sentir que, afinal de contas, aventuras não eram tão ruins de todo.”

Bilbo Bolseiro vive uma vida tranqüila, até o dia em que o mago Gandalf o convoca para participar de uma aventura. Longe de querer aceitar, o hobbit não imagina que não tem mais escolha, pois aparece à sua porta uma companhia de 13 anões. Eles estão em busca de mais um integrante para seu grupo, pois estão partindo em uma incrível viagem para retomar o antigo reino dos anões, Erebor, onde vive o dragão Smaug. Assim, Bilbo se junta a Thorin Escudo-de-Carvalho e eles partem em uma aventura cheia de perigos, encontros inesperados e mistérios a serem revelados.

Eu sempre quis ler O Hobbit ilustrado, e quando soube da existência deste livro, corri atrás. É a mesma história que Tolkien narra em seu primeiro livro publicado (o qual completou 75 anos de aniversário de publicação em 2012), com a diferença de que o leitor (que já leu o livro) nota a ausência daquela linguagem rebuscada utilizada por Tolkien. Utilizando uma linguagem um pouco mais acessível e com uma narrativa leve, vemos a aventura de Bilbo Bolseiro tomar vida nas páginas desta HQ. A ilustração mais impressionante, claro, é de Smaug, deitado sobre o tesouro dos anões. Um livro muito indicado a qualquer um, fã ou não do mestre.

Resenhado por Natallie Alcantara.

*Título original: The Hobbit.
140 páginas, Editora Devir, publicado em 2002.