Selecione a página

Vendo fantasmas

Viver não é fácil: temos responsabilidades a cumprir, direitos a reinvidicar, um espaço para conquistar. Na adolescência, os conflitos não são poucos, e parecem ser sempre maiores. Mas o que fazer quando a vida não é o único problema – quando ela passa a ser interpelada também pela morte?

Além de ter de lidar com a própria vida, a protagonista do primeiro livro da série “A Mediadora” tem de ajudar espíritos que perderam as suas. Conheça um pouco mais da história sobrenatural de “A Terra das Sombras” por meio da resenha de Débora Rezende e não esqueça de deixar o seu comentário.

“A Terra das Sombras”, de Meg Cabot

tempo Tempo: para ler de um tiro só no fim de semana
indicacao Finalidade: para rir
restricao Restrição: não suporta melodramas
principio Princípios ativos: Humor, sobrenatural, adolescência, mistério

barra

Suze está em apuros. Obrigada a se mudar de Nova York para a California porque sua mãe acabou de se casar com um cara que só viu cinco vezes e tendo ganhado três irmãos no processo, Suzannah Simon definitivamente está em apuros. Ela só não tinha como saber que seus problemas estavam apenas começando. Isso porque, ao chegar em seu quarto, ela se depara com um fantasma Cowboy de 150 anos chamado Jesse no parapeito da sua janela.

aterradassombras livro

É claro que, para uma garota normal, isso não faria a menor diferença. Afinal, garotas normais não veem fantasmas em suas janelas. Mas Suze está longe de ser uma garota normal. Suze Simon é uma Mediadora. Uma alma destinada a ajudar os espíritos perdidos a encontrar seu caminho e cumprir suas missões. E, ainda que ela não devesse fazer isso com socos e pontapés, a mediadora nunca teve problemas que lhe tirassem noites de sono. Até chegar em Carmel. Lá, Suze vai descobrir que não sabe tudo sobre seu dom, como pensava saber. E que muito menos é a única a carregar esse fardo. Isso porque, ao chegar em sua nova escola, ela se depara com o Padre Dom. Bom, velho e mediador. E se descobrir que não é a única a falar com fantasmas não fosse o suficiente, Suze ainda vai ter lhe lidar com o espírito de uma garota mimada que não aceita ter morrido e deixado seu namorado para traz. E, pior: ela acredita que Suzannah está interessada nele. Como se não bastasse, ela anda tem que lutar contra as borboletas que insistem em se agitar no seu estomago toda vez que Jesse aparecia no seu quarto, o que acontecia com bastante frequência.

“A Terra das Sombras” é o primeiro volume da série de 6 livros d’A Mediadora, escrito por Meg Cabot, sob o pseudônimo de Jenny Carroll. Nela o leitor se depara com situações onde é necessário escolher não só o próprio caminho, mas decidir entre o que diz a razão e o que implora a emoção.

Resenhado por Débora Rezende

282 páginas, Editora Record, 2004. Tradução de Clóvis Marques.
*Título original: Shadowland. Publicado originalmente em 2000.

Onde Comprar

Sobre o autor

14 Comentários

  1. Renato

    Não comentarei =x UHSAUHSA AMO MEG CABOT!

    Deixarei pra que os outros comentem sobre isso u_u UHSAHUSA

    sou suspeito para julgar a Meg. Mas essa é realmente uma das melhores séries dela, junto com 1-800-WHERE-R-U e Boy Series… muito bom mesmo :D :D

    super recomendado.

    e a resenha está ótima!! parabéns ;D

    Responder
  2. Saulo de Lima

    Ótima resenha. 8) 8) 8) 8) 8) 8) 8) 8)

    “O menino que sobreviveu caminha para a Morte”
    Lord Voldemort

    Assinado por Lord Voygar

    Responder
  3. Saulo de Lima

    Quero apenas dizer que algumas pessoas estão aproveitando o fim de Harry potter para lançar agora suas séries de livros, como é meu exemplo (Ainda estou no processo de criação) Porque ao Exemplo de Crepusculo que compete com Harry Potter sai machucado. Será uma boa no ano que vem depois que lançar meu livro competir com outros. Mas nada substiruirá Harry potter e acho que todos também acham asim. Mas precisaremos de um conforto.
    Não torceremos mas para Gina e Harry ficarem juntos, ou Rony e Hermione. Não teremos mas o misterio de saber de que lado está Snape. Não veremos mas a inocencia do Hagrid, nem mesmo as piada de Fred e Jorge . Nunca mas veremos o sonho de Dobby de ser livre e ajudar Harry potter. Acho que nenhuma série teve tantos personagens, com tantos núcleos e importancias na história como Harry Potter. Acho que é a melhor saga de livros adaptadas para o cinema. e o título é bem legal.
    P.S. Falta mais diversão no site.
    “O menino que sobreviveu caminha para a Morte”
    Lord Voldemort
    Assinado por: Lord Voygar

    Responder
  4. Felipe

    Aaah que demais, li tem quase um ano toda a saga e adorei, recomendo!! :D

    Responder
  5. Camila

    Passei pelo Ish ontem e quase não acreditei… A Mediadora!

    Primeiramente, Debora, espero que você tome isto como uma crítica construtiva, mas achei que a resenha deixou a desejar. Faltou a sua visão sobre a história, os personagens, o desenvolvimento, estilo, etc… Um texto um pouco mais longo e explanado não seria ruim. ;)

    E devo discordar da restrição. Uma das coisas que gosto na Meg Cabot é justamente a forma leve e bem humorada na qual ela conduz suas histórias. E com uma pitada de sobrenatural vira um prato cheio. XD

    Já li alguns títulos dela (embora ainda não tenha lido a série Diário, acredite) e Suze é minha heroína-Cabot preferida. Divertida, um pouco abusada, com uma dose de acidez saudável e sem muitas frescuras. Vejo ela como uma Buffy dos fantasmas.
    Jesse, como não pode deixar de ser, é o cara bonitão, misterioso, educado e que sempre aparece na hora do sufoco para dar uma mãozinha. E o fato de estar morto há pelo menos uns 130 anos constrói mais um romance ‘impossível e improvável’.

    Essa série é cheia de personagens carismáticos como padre Dom e o Mestre (quem leu sabe de quem estou falando ^^), a melhor amiga esquisita (outro personagem clássico que não pode faltar), o padrasto gente boa…

    Não é realmente uma idéia original, digamos, mas atrai. Personagens simples e que não fogem aos estereótipos, mas cativantes.
    E o típico cenário americano de High School com todos os seus elementos, incluindo a garota popular mas detestável e seu séquito (que são coadjuvantes nessa história mas fazem sua aparição) pode cansar alguns leitores que não são muito fãs dessas temáticas “adolescentes” (como eu rs), mas não impede a leitura.

    Os livros da Meg têm uma função específica para mim: diversão. Nada de pretensioso ou forçado. Depois de uma leitura mais tensa é ótimo para relaxar e dar umas risadas.

    Ah, a parte da “macumba brasileira” quase me mata de rir. :)

    E deram uma caprichada na capa, ainda não tinha visto essa. Bem melhor que a da época do lançamento, gostei muito.

    Seria legal ver uma resenha sobre algum dos livros da série Boys que, assim como para o Renato, é uma das minhas favoritas.

    Espero realmente que não tenha sido grosseira ou tenha ofendido você em algum momento, Debora, não foi minha intenção.

    Responder
  6. Camila

    Caramba, escrevi demais… @.@

    Responder
  7. Renato

    Camila, amo Meg Cabot como você! Acho que li todas as séries dela, menos a série Diário também…

    Mas tenho que concordar que a Débora foi muito rápida com a resenha. Ficou boa, sim, mas mais como uma síntese de ideias do que como uma resenha em si…

    Muito rápida. Os personagens de Meg, por mais que bastante característicos de “chick-lit”, são complexos sim hahahaha

    Faltou isso :)

    Responder
  8. André

    Puxa, eu que não sou de ler (a não ser Harry Potter) to lendo essas resenhas e to me interessando bastante kkk

    A propósito, essa história é muito parecida com o daquele seriado Ghost Whisperer :o

    Eu não conheço a história, portanto não posso criticar nada, mas ao meu ver gostei muito da resenha porque me fez conhecer um pouco da trama. Está de parabéns : D

    Responder
  9. Pri

    Ahh, eu AMO a Meg! *O* Já li todos os livros ela, inclusive os sob o pseudonimo de Patricia Cabot, mas, é claro, nunca terminei de ler O Diário, parei no início do sétimo… Mas A Mediadora é o meu PREFERIDO!!! AMOOOO a Suze!!!! *O*

    Responder
  10. Nessa Lovegood

    AMO³³³ AMO³³³ AMO³³³!!! Jesse!!! *-*

    Só que é beeeem adolescente… quem não gosta de livros assim não é bom nem pegar!!! hehehe

    Mas é bem fofo!!! *-*

    E a Meg Cabot é ótima!!! *-*

    Responder
  11. Luciana Potter

    Ahhh, eu adoro “A Mediadora” !
    São os melhores da Meg!
    E o Jesse *-*
    ainn, tão ‘hermoso’! uhaushuashua xD

    É muito bom, eu recomendo!

    Responder
  12. Lady Black

    É bem interessante alguém que está escrevendo um livro não saber a diferença entre ‘mais’ e ‘mas’. Sugiro que você estude um pouco de gramática e ortografia antes de achar que pode competir com Harry Potter ou a porcaria que é Crepúsculo.

    Responder
  13. mayã

    aaah, essa série é uma deliciaaa!

    eu li todos os livros assim… devorando cada pagina, com certeza! mto legal, uma dinamica boa e a história mto cativante.

    recomendado! :D

    Responder
  14. Anne

    boa resenha ………………………

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *