Nota do resenhista: “Se as pessoas fossem chuva, eu era garoa, e ela um furacão.” O primeiro amigo, a primeira garota, o primeiro porre… Em um colégio interno tudo ocorre à flor da pele, e os momentos vividos ali ficarão para sempre.



   Tempo: Para ler durante a noite

   Finalidade: Para se emocionar e filosofar sozinho

   Restrição: Para quem não gosta de fortes emoções

   Princípios ativos: Adolescência, Primeiro Amor, Colégio Interno, Drogas


Quem é você, Alasca? – John Green

Como em qualquer livro do John Green, ele conta – adivinhem – a história de um nerd. Miles Halter é um adolescente sem amigos e viciado em últimas palavras. Um dia ele decide por mais aventuras em sua vida e pede aos pais para o matricularem em um colégio interno para poder partir em busca do que o poeta François Rabelais chamou em seu leito de morte de o “Grande Talvez”.
E é em “Culver Creek” que ele conhece Chip, mais conhecido como Coronel, seu colega de quarto, transgressor e rebelde, ele o apresenta aquele novo universo e a sua melhor amiga, Alasca, por quem Miles se apaixona imediatamente.

O garoto acaba ganhando o apelido de “Pudge” e descobre um mundo novo, de bebidas, cigarros e sexo, um monde onde respeitar as normas não costuma ser prioridade. Entre os alunos só existe uma regra, nunca dedure. Apesar de Alasca deixar bem claro desde o começo que ama seu namorado, ela e Miles vão construindo uma forte relação. Ela é uma garota diferente, uma garota de extremos. Na maior parte do tempo parece estar sempre animada demais, atrevida demais, sensual demais, extrovertida demais. Mas também é misteriosa, autodestrutiva, solitária, como se estivesse sempre fugindo de algo, sempre imprevisível.

Alaska divide com Miles suas últimas palavras preferidas, pertencentes à Simon Bolívar, “Como sairei deste labirinto?”. E enquanto ela está tentando descobrir afinal, o que é esse labirinto e como se sai dele, Miles está em busca de seu “Grande Talvez.” E as rotas que eles traçarão para chegarem às respostas os levarão para caminhos surpreendentes e perigosos, onde um grande acontecimento mudará suas vidas para sempre. Não a toa, o livro é dividido em duas contagens regressivas, uma antes e outra depois.

O que a primeira vista pode parecer uma premissa clichê e simplista ganha uma dimensão incrível nas mãos do gênio que é o John Green. Os personagens, sempre tão diferentes dos adolescentes que encontramos na maioria dos livros e filmes, aqui não são subestimados, mas inteligentes, instigantes e reais. Uma narrativa forte, a mil por hora, que tenta acompanhar a vida de jovens que estão tentando sobreviver ao colégio enquanto tentam descobrir o grande mistério de suas vidas, entre batatas fritas do Mc Donald’s e vodka com leite.

Não tente achar “A Culpa é das Estrelas” dentro desse livro, são premissas diferentes e eles se propõem a objetivos diferentes, mas os dois são incríveis, cada um do seu jeito.  “Quem é você, Alasca?” te deixará inquieto, com o coração na mão, com um frio na barriga e lágrimas nos olhos, o livro é eletrizante, angustiante e inesquecível, como a própria Alasca Young.

Resenhado por Mariana Arantes

Looking for Alaska – Quem É Você, Alasca? – Ano: 2010 – Páginas: 229