A laranja e a solidão

Todos já ouviram falar de “Meu Pé de Laranja Lima”, mas quanto já leram o clássico brasileiro de José Mauro de Vasconcelos? A história sofrida de Zezé, um menino que encontrou amizade onde menos esperava, é uma das mais tocantes de nossa literatura.

A resenha de Léo Scarpa conta com mais detalhes o que esperar dessa obra. Leia e deixe seu comentário!

“Meu Pé de Laranja Lima”, de José Mauro de Vasconcelos

tempoTempo: obra que exige muito tempo e dedicação
indicacaoFinalidade: para se emocionar
restricaoRestrição: para quem não suporta melodrama
principioPrincípios ativos: infância, descobertas, misérias, amizades e decepção

barra

Zezé, com cinco anos de idade, já é uma criança já muito vivida e conhecedora de todos os tipos de maldade do seu pequeno mundo. Ele vê sua família mudar-se para uma casa maior na mesma cidade. No dia da primeira visita, seus irmãos escolhem as árvores maiores e mais frutíferas, deixando para ele apenas um pobre pé de laranja lima.

O MEU PE DE LARANJA LIMA 1228172127P

Na escola, Zezé era um exemplo de aluno, ganhando muitas vezes prêmios de melhor leitor da sala. Sua professora, talvez uma das poucas pessoas que o entendiam e queriam seu bem, sempre dava a ele dinheiro para o lanche. Fora da escola, Zezé era o moleque que tirava a tranquilidade da vizinhança.

Por muitas vezes, Zezé tentou ganhar dinheiro de alguma forma, e quase sempre era tentado a pegar carona no carro do português da cidade. Zezé mal imaginava que este senhor também seria uma das pouquíssimas pessoas das quais ele se lembraria com ternura até os últimos dias de sua vida.

Esse garoto loiro e arteiro vê sua curta vida totalmente abalada por dois fatos muito marcantes. Apesar de tudo, Zezé terá de seguir em frente com apenas uma vaga lembrança de que um dia já teve um grande amigo e que já foi muito amado como filho por um estranho.

José Mauro de Vasconcelos, consagrado autor da literatura Brasileira, iniciou sua carreira com a obra “Banana Brava”, em 1942. Apesar de grande sucesso e grandes criticas em outras obras, como “Barro Blanco” e “Rosinha, Minha Canoa”, só foi em 1968, com “Meu Pé de Laranja Lima”, que Vasconcelos se consagrou um exímio autor literário de obras que não podem faltar numa sólida formação intelectual e literária, e que já foram traduzidas para vários idiomas, além de adaptadas ao teatro, cinema e televisão.

Resenhado por Léo Scarpa

190 páginas, Editora Melhoramentos. Publicado em 1984.
Publicado originalmente em 1968.

Onde comprar

Sobre o autor

17 Comentários

  1. Thedimps2011

    primeiro

    Responder
  2. Luci

    Parece ser interessante…
    legal abrir o espaço para literatura brasileira tb, q as vezes a gnte nem conhece

    parabéns pela resenha! Só senti um pouco falta da sua opinião u.u

    Responder
  3. tata

    eu ja li !!
    E MUTO LEGAL E EMOCIONANTE…. :)

    Responder
  4. Julia Almeida

    sem duvida, umas das mais importantes obras da literatura infanto-juvenil, quem aqui ñ começou a ler com um obra dessas …
    muito bem apontado a questão do melodrama, mas fator caracteristico da literatura deste periodo.
    parabens pela resenha, e como dito, so faltou sua opinião pessoal nela^^

    Responder
  5. Leh!

    Eu já li!!! a história é muito linda e tocante, gostei muito de ler e recomendo! :)

    Responder
  6. Henrique

    EW points to the language of some trademarks Warner Bros. registered nearly two years ago, outlining something called Pottermore as a service “providing multiple-user access to a global computer information network, […] on-line chat rooms and electronic bulletin boards for transmission of messages among users in the field of general interest [and] on-line facilities for real-time interaction with other computer users concerning topics of general interest.” The article goes to say Warner Bros. also trademarked Pottermore from greeting cards, erasers, and swimming floats.

    Responder
  7. Henrique

    EW points to the language of some trademarks Warner Bros. registered nearly two years ago, outlining something called Pottermore as a service “providing multiple-user access to a global computer information network, […] on-line chat rooms and electronic bulletin boards for transmission of messages among users in the field of general interest [and] on-line facilities for real-time interaction with other computer users concerning topics of general interest.” The article goes to say Warner Bros. also trademarked Pottermore from greeting cards, erasers, and swimming floats…

    Responder
  8. RenatoAlcântara
  9. renatOliveira
  10. renatOliveira
  11. RenatoAlcântara
  12. Nathalia

    Amo! Perfeição total. Saudade do Zezé e do Portuga querido.

    Responder
  13. tali

    Amei a resenha, já li o livro!!!!!mudando de assunto:

    GALERA, ESSE VIDEO É DO BENTO RIBEIRO (APRESENTADOR DA MTV) QUE FOI ENTREVISTADO PELO JO SOARES…………….E NESSE VIDEO, ELES FALAM MAL DE CREPUSCULO…VALE MUUUUITO A PENAAA, É MTO VERDADEIRO ……(http://www.youtube.com/watch?v=AYIBWBDPtGo&feature=related)

    Responder
  14. T.Facco

    Eu li, quando era mais novinha…haushuash, eu tenho 2 ok!? haushaushsau
    Adorei!! Agora o ISH me deixou com vontade de ler novamente!

    Responder
  15. Loki

    O li´vro é muito bom, e por mais que a temática seja infantil, agrada os olhos e a mente de adultos tb, assim como O pequeno principe de Saint Exuperry… Ver Zezé crescendo no correr da história é muit bonito. Faz você analisar sua infãncia e sua forma de ver a vida…

    Vale a lida.

    Responder
  16. Rodrigo Arturo Black

    Ótimo livro. Gosto muito das resenhas do Potterish!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *