Nota do resenhista: Charlie, sempre foi um menino quieto. Observador, ele conta tudo que vê e faz a um amigo secreto a quem escreve cartas. Sua vida, de seus amigos e familiares, ele descreve com uma clareza completa, que só aqueles que viveram a margem podem ter. No entanto, chega uma hora em que ele deve ser mais ativo em relação a sua própria vida.



   Tempo: Para ler de um tiro só no fim de semana.

   Finalidade: Para pensar.

   Restrição: Para quem não suporta melodrama.

   Princípios ativos: Cartas, amizade, romance, juventude, vida.


As vantagens de ser invisível, de Stephen Chbosky

 

Charlie é um adolescente diferente dos outros. Quieto e solitário, não tem amigos e nem vive grandes emoções. Ele escreve cartas para um amigo anônimo, contando sua vida, narrando tudo o que acontece com muitos detalhes. Charlie é bastante observador e sempre foi incompreendido e sensível. Ele é mais um expectador da vida do que ator nela, até conhecer Bill, Sam e Patrick. Bill e seu professor, que o apresenta a vários livros e histórias excelentes, Sam e Patrick são irmãos e se tornam amigos de Charlie, levando-o para festas e fazendo-o ter novas experiências. A partir daí, Charlie começa a experimentar mais e viver mais. Durante um ano, ele relata suas experiências nas cartas que escreve para esse amigo anônimo, suas relações familiares, seus romances. Tudo com um olhar de quem analisa os detalhes de cada situação.

Esse livro é diferente de tudo que eu li, apesar de ser uma história relativamente simples. As emoções de Charlie são a flor da pele, e quando ele escreve as cartas, ele realmente coloca tudo no papel, o que faz o leitor experimentar o mesmo que ele, com a mesma intensidade. Não é difícil se identificar, na verdade, porque todos os personagens têm características diferentes. Não nego, fui procurar o livro depois que ouvi muitos falando do filme, e não me arrependo. Recomendo a história.

Resenhado por Natallie Alcantara

*Título original: The perks of being a wallflower.
223 páginas, Editora Rocco Jovens Leitores, publicado em 2007.