Selecione a página

[Resenha] Mitologia e religião nas figuras de Harry Potter e Jesus Cristo

[Resenha] Mitologia e religião nas figuras de Harry Potter e Jesus Cristo

Nota do Resenhista:  Misturar e/ou comparar mitologia e religião pode ser uma tentativa problemática, pois enquanto uma é pagã, a outra é… cristã? Talvez esses dois termos sejam mal empregados. O fato é que religião e mitologia estão intimamente relacionadas. Então, talvez não haja problema… Até o momento em que as figuras comparadas não sejam Jesus Cristo e um bruxo (de fato, um bruxo muito famoso, com uma cicatriz na testa). A que conclusão essa comparação pode chegar? Para saber, só lendo o livro de Derek Murphy.

separador maior



tempo   Tempo: Obra que exige muito tempo e dedicação.

finalidade   Finalidade:  Para pensar.

restricao   Restrição:  Para quem não gosta de perder tempo com longas descrições.

principioativo   Princípios ativos: Harry Potter, Jesus Cristo, Mitologia, História, Literatura.


separador maior

Jesus Potter, Harry Christ: the fascinating parallels between two of the world’s most popular literary characters, de Derek Murphy

A primeira parte do livro aborda o pano de fundo da publicação da série, falando sobre as críticas sofridas e sobre o sentimento anti-Harry, sobre os cristãos que não vêem Harry como ameaça, listando obras favoráveis e fala sobre a visão da própria autora sobre religião, até finalmente abordar as semelhanças entre Harry Potter e Jesus Cristo, dentre elas o nascimento miraculoso e, é claro, a batalha contra o mal. Analisa a questão da mitologia e dos arquétipos; a discussão sobre a existência de Jesus de acordo com fontes históricas e arqueológicas; descreve as figuras pagãs pré-cristãs que tem alguma semelhança com Jesus, como Gilgamesh e Osíris, através de uma abrangente descrição de crenças pagãs, religiões de mistérios e seitas gnósticas. Para citar alguns dos paralelos:

  • Um pai sobrenatural (por sobrenatural entende-se bruxo) e uma mãe mortal (por mortal entende-se nascida trouxa)
  • Nascimento milagroso anunciado por profecia;
  • Poderes sobrenaturais usados para ajudar os outros;
  • Simbolizado pelo leão, enquanto seus inimigos foram representados pela serpente;
  • Desceu ao submundo;
  • Foi deixado à morte para, após grande sofrimento, voltar à vida pela vitória.

Na segunda parte, é traçada uma rota dos mitos cristãos, falando sobre a analogia entre o leão, o sol e Cristo, assim como é feita uma análise do mito da criação e da figura de Satã.

Na terceira e última parte do livro, primeiramente é analisado o início do cristianismo, apresentando a evolução da Igreja Católica, desde seus concílios até os apolegetas do cristianismo moderno como C.S. Lewis. São citados seus textos misteriosos; a questão dos oráculos antigos e da magia inerente a eles é mencionada. Os mistérios do cristianismo e a passagem de “mistério” para “história” e seus mártires e a história da Igreja são explorados.

Derek Murphy é PhD em Literatura Comparada e especialista em estudos religiosos e história bíblica. Seu livro revela as semelhanças (mais que as diferenças) entre Harry Potter e Jesus Cristo, através de uma pesquisa bem fundamentada em religião comparada. O livro de Murphy, a primeira vista controverso e cujo título pode parecer irônico, através da mitologia presente na figura de Harry Potter, demonstra a panela de sincretismo que originou a religião cristã. Indico esse livro para leitores de “mente aberta”. Não julgue pela capa. Acima de tudo, indico para todos aqueles que tem interesse em estudar a mitologia e história por trás da vida do menino bruxo.

Resenhado por Natallie Alcantara

  494 páginas, Editora Holy Blasphemy, publicado em 2011.

Sobre o autor

9 Comentários

  1. Leafar Matzos

    Eu sempre achei interessante o fato de o sacrifício poder salvar alguém da morte, como acontece no caso de da mãe de Harry para ele e depois de Harry para todos os outros. Esse tipo de sacrifício vicário é visto no cristianismo através de Jesus… Será que J. K. Rowling fez pensando nisso ou não tem nada a ver?

    Responder
    • Natallie

      É uma questão interessante mesmo. Mas saber se foi intenção de Rowling, só conversando com ela pra saber. rsrs Adoraria ler algo mais aprofundado sobre a influência dela para a série. Uma coisa mais acadêmica mesmo.

      Responder
      • Rafael Souzza

        Pois é, até agora não encontrei nada sobre isso vindo dela, nem mesmo em uma entrevista rs. Também acho interessante um conteúdo mais aprofundado, afinal a série tem riqueza suficiente para isso.

        Responder
  2. BRUNO

    Rafael, acredito que sim, embora ela nunca tenha deixado claro, ela sempre frisou que o sacrifício por amor gera um ciclo de redenção, Lilian por Potter e mais tarde Potter como mártir e Narcisa fechando o ciclo materno por Potter, fora que também a muita influência histórica de Londres, assim como semelhanças a 2ª Guerra Mundial. Séria interessante, agora com um novo filme relacionado a franquia um documentário sobre a filosofia por trás da história.

    Responder
  3. Paulo

    Sim, a própria admitiu em entrevistas que utilizou a metáfora cristã da ressurreição para à saga do Harry. Isso também fica claro com a pedra e o desfecho de Voldemort como criatura “amaldiçoada” em seu nascimento, ou seja, logo depois de ter se chocado com o amor de Lilian. Entretanto, J.K. utiliza isso de forma bastante distante aos preceitos dogmáticos – visto que existe maldade e senso de rebeldia em Harry – coisa que a religião cristã nega em cristo.

    Responder
  4. Áurea Martiini

    A J.K é muito inteligente, acredito que ela faz uma analise, muito bem feita,

    Responder
  5. Cogumelo Verde

    Sabe que eu nunca tinha olhado por esse lado? Interessante…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *