Selecione a página

O coadjuvante da guerra

Ainda estamos todos sob o efeito de “Relíquias da Morte – Parte 2”, mas é necessário seguir em frente. De qualquer forma, as Resenhas do Potterish continuam em clima de guerra. Mas a que vamos tratar aqui realmente aconteceu. Na verdade, é a guerra mais comentada da história, “aquela” que aconteceu entre 1939 e 1945.

Enquanto alguns se calam e outros se arriscam lutando, há aqueles que aproveitam a oportunidade para enganar a todos. Esse é o caso de Eddie Chapman, um britânico que era ladrão, foi preso, capturado por alemães e se tornou um dos agentes duplos mais importantes da Segunda Guerra, vazando informações fundamentais da Alemanha para os ingleses. Confira a resenha do livro-reportagem “Agent Zigzag”, de Ben MacIntyre e reflita: como você reagiria a uma guerra?

“Agente Zigzag”, de Ben MacIntyre

tempo Tempo: obra que exige muito tempo e dedicação
indicacao Finalidade: para quem não gosta de perder tempo com longas descrições
restricao Restrição: para ficar na ponta da cadeira
principio Princípios ativos: espionagem, nazismo, agente duplo, história, guerra.

barra

Eddie Chapman era um vagabundo. Daqueles que não trabalham, roubam dos outros, seduzem para depois traírem e mentem. Relativamente famoso na Inglaterra, o malandro entrava e saía com frequência da cadeia. Mas o “timing” não poderia ser pior: em 1941, os alemães invadiram as Ilhas do Canal, justo onde estava a sua prisão.

agente zigzag

Sob domínio alemão, muitos foram mandados para campos de concentração. Mas Chapman sabia se virar como ninguém e convenceu os alemães de que poderia trabalhar para eles. Levado a uma França ocupada, o britânico foi treinado e mandado de volta ao seu país natal para uma missão.

Traidor? Bom, depende do ponto de vista. Assim que desceu em solo britânico, Chapman procurou a polícia local e se ofereceu para ser agente duplo, entregando informações do serviço alemão. Inclusive, Chapman planejou um ataque a Adolf Hitler, que foi negado pelo comando do MI5.

Em inúmeras viagens entre Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e Noruega, Chapman colocou os temidos governos no bolso, sobreviveu a interrogatórios, manipulou grandes mestres da inteligência e participou de missões importantíssimas para a vitória dos Aliados, como o direcionamento de bombas alemãs para os lugares menos povoados aos arredores de Londres, mas reportando ao comando de Hitler que o centro da capital estava sendo atingido.

E sim, essa história é verdadeira. Ben MacIntyre faz um relato muito bem documentado e jornalístico (às vezes, até demais, causando no leitor uma sede de linguagem mais literária). O maior mérito do livro talvez seja dar a dimensão do quanto grandes fatos da história não estão apenas nas mãos dos grandes governantes, mas também nas de pessoas comuns, que morreram no anonimato.

Resenhado por Sheila Vieira

400 páginas, Editora Record, publicado em 2010.
Título original: Agent Zigzag. Publicado originalmente em 2007.

Onde Comprar

Sobre o autor

12 Comentários

  1. eu

    O q isso tem a ver com HP??
    boieeei

    Responder
  2. Beatriz Thomeny

    Olha esse agente duplo me lembra o professor Snape :D

    Responder
  3. Prof

    Caramba, tem gente que ainda não entendeu o objetivo das resenhas aqui??

    Vou explicar: HP é um livro e teve o mérito de incentivar a leitura. Portanto, esse site pretende seguir o exemplo de HP e despertar o interesse das pessoas pelos livros.

    Responder
  4. Daniel Stanley

    Acho incrível como ainda há pessoas que se dizem fãs de Harry Potter e questionam qual a relação dos livros com os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial. Lamentável.

    Tem que ser muito poser pra isso, alienado, leu apenas pra ver as ilustrações ou saber se a Gina terminava com o Harry ou com o Salgueiro Lutador no final. Sim, a história também é feita de relações amorosas, MAS NÃO APENAS ISSO.

    Responder
  5. Dani

    Gente, POR FAVOR, vota em Harry Potter aqui: http://teenchoiceawards.com/vo
    A não ser que vocês queram que Harry Potter perca pra Crepúsculo de novo!
    Obrigada.

    Responder
  6. Pablo

    Otimo post

    Sou novo aqui, este site me conquistou o.o
    apesar de ser um velho fâ de HP, eu nao costumava frequentar blogs etc, + com este ultimo filme, me lembrei da magia dos anos vividos lendo os livros que estao sujos de tantas tardes, cafes e almoços nos quais eles participavam comigo

    abraços.

    Responder
  7. Daniel Stanley

    Perdão. Fiquei revoltado ali em cima e esqueci de dizer que achei uma ótima indicação de leitura. Eu vou ler o livro e ficaria feliz se mais pessoas por aqui o fizessem.

    Obrigado e tchau!

    Responder
  8. Marjorie

    Fã poser, eu não sei, mas alienado com certeza: o regime imposto e pregado por Voldemort é só um modelo bruxo de inúmeras ditaduras racistas, sendo a de Hitler apenas a mais lembrada e por iso mesmo usada como molde para os livos e o filme, ou será que só eu percebi que os grupos de alunos indo ao encontro de Snape no Salão Principal pareciam colunas nazistas?

    Responder
  9. Marjorie

    Ah e excelente resenha! A primeira que eu leio e tenho realmente vontade de ler. ;D

    Responder
  10. Nanda Weasley

    Muito boa a indicação, assim que eu tiver a oportunidade vou ler. Quem não percebe a relação do regime de Voldemort e Hitler ou não sabe nada de história ou nada de Harry Potter. Os dois regimes são ditaduras que pregam o ódio a uma minoria oprimida, e até o massacre dessa minoria(judeus/nascidos trouxas), e a soberania de uma nação sobre o resto do mundo (alemães/bruxos). Quem não viu essas semelhanças, por favor, vai estudar e deixar de ser tão alienado.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *